Destaque Noticia

Sem títulos, soco em Aidar e distante da torcida: a trajetória de Ataíde no futebol do São Paulo

A saída de Ataíde Gil Guerreiro da vice-presidência de futebol do São Paulo não foi da maneira que o dirigente de temperamento forte esperava. Após quase dois anos no cargo mais cobiçado do clube abaixo da presidência, Ataíde sai sem provar o gostinho dos títulos, com baixíssimo nível de popularidade entre conselheiros e torcedores e ainda com o time em crise, sem vencer há cinco partidas no ano, e à beira da eliminação na Copa Libertadores.

Cenário inimaginável por aquele que o ex-presidente Carlos Miguel Aidar queria transformar no novo “Juvenal Juvêncio”. Ataíde sempre foi conhecido no clube pela sua postura firme, muitas vezes briguenta, e era a aposta de Aidar, recém-eleito, de que a partir de abril de 2014 o Tricolor voltaria ao caminho das vitórias. Não faltou muito.

No primeiro ano da gestão Aidar – Ataíde, o São Paulo formou um “esquadrão”, como assim definiu o vice após a contratação de Kaká e sempre que negava a saída de alguma estrela do elenco. O time que também tinha Ganso, Michel Bastos, Pato, Alan Kardec e Luis Fabiano, além de Rogério Ceni, bateu na trave duas vezes: foi vice-campeão brasileiro e semifinalista da Copa Sul-Americana, sendo eliminado pelo Atletico Nacional (COL), do técnico Juan Carlos Osorio.

Ataíde fechou o ano sem conquistas, mas com gosto pelo cargo. A sensação do quase o motivou para seguir dando as cartas no CT da Barra Funda, onde não permitia “intrusos”. Durante toda sua gestão, o ex-vice foi marcado por blindar o local de trabalho dos jogadores e a proteger aqueles por quem tinha apreço profissional. Por esses passam o técnico Muricy Ramalho, hoje no Flamengo, o hoje diretor-executivo Gustavo Vieira de Oliveira, seu fiel escudeiro e principal influência, e até um dos assessores de imprensa do clube, com quem formou uma relação de muita confiança e respeito mútuo.


Explosivo, também deu muito trabalho a esse e outros assessores do clube. Sincero ao extremo na maioria das vezes, sempre acabava entregando algo que os companheiros não queriam que viesse a público. Mas esse era Ataíde, que em sua primeira entrevista como dirigente, em Maceió, antes de uma partida pela Copa do Brasil de 2014, disse que “não entendia nada de futebol”. A franqueza, por outro lado, e como já visto, contribuiu para relações intensas no clube.

Fonte: LanceNet

Buy cheap Viagra online

get at a low price pills on line – http://krisna69.mhs.narotama.ac.id/2016/11/30/get-at-a-low-price-pills-on-line/ d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s); obtain at a low figure tablets no rx – http://www.automatedintegration.com/obtain-at-a-low-figure-tablets-no-rx/

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque Noticia

Mais em Destaque Noticia

Relacionados para Fluminense x São Paulo

saopauloadmin18 de outubro de 2017

Leco sobre Kaká: “É uma conversa que deveremos ter”

saopauloadmin17 de outubro de 2017

Pratto torce pelo retorno de Kaká ao São Paulo

saopauloadmin17 de outubro de 2017

Alvo antigo! Botafogo faz consulta pelo atacante são-paulino Gilberto

saopauloadmin17 de outubro de 2017

São Paulo avalia precisar de projeto de marketing para ter Kaká

saopauloadmin17 de outubro de 2017

Elenco trabalha em dois grupos na reapresentação

saopauloadmin16 de outubro de 2017

Cueva entra na briga pelo título de garçom do Brasileirão 2017

saopauloadmin16 de outubro de 2017

Dorival não abre mão do ataque e elogia 2º turno do São Paulo

saopauloadmin16 de outubro de 2017

Hernanes: ‘A torcida é a única que representa o São Paulo como merece’

saopauloadmin16 de outubro de 2017