Destaque

Estrela por ouro de Rodrigo pode ferir estatuto do SPFC

A conquista do ouro olímpico pills

Buy cheap Viagra online

da Seleção Brasileira de futebol nos jogos do Rio de Janeiro acabou repercutindo de manira incomum no São Paulo. Na noite desta quarta-feira, antes de da apática derrota para o Juventude pela Copa do Brasil, surgiu a notícia de que o conselheiro José Alfredo Madeira irá sugerir a ideia de inserir mais uma estrela dourada ao escudo do Tricolor. Isso porque o zagueiro Rodrigo Caio, uma das maiores crias das categorias de base são-paulina, esteve presente na conquista e foi um dos principais jogadores do título inédito. Isso seria uma forma de homenagear também o tão aclamado CT de Cotia, menina dos olhos da diretoria tricolor, já que nosso camisa 3 foi o primeiro atleta de lá a subir e ter sucesso no time profissional.

 

A princípio a ideia é teoricamente válida, uma vez que as duas estrelas douradas no escudo e na bandeira são homenagens aos recordes mundiais do saltador Adhemar Ferreira da Silva, atleta do clube na época das marcas – registradas nos Jogos Olímpicos de Helsinque, em 1952, e nos Jogos Pan-Americanos da Cidade do México, em 1955.

 

A proposta, no entanto, não deveria nem passar pelo crivo do conselho são-paulino, uma vez que vai contra o próprio estatuto do clube. Na seção III, que dispõe sobre os símbolos do São Paulo Futebol Clube (bandeira, emblema, hino e uniformes), deixa claro que pode haver a inclusão de uma nova estrela dourada caso algum atleta do clube tenha conquistado qualquer marca, título mundial ou olímpico, em esportes considerados olímpicos, mas, depois, registra que, se o profisional integrar uma equipe coletiva, isso não será computado. O texto original é bem ambíguo, possivelmente por pura desatenção do redator, mas a negativa no trecho final do segundo parágrafo deixa a norma mais clara.

 

Reprodução / São Paulo FC

Reprodução / São Paulo FC
Trecho do estatuto do clube, disponível no site oficial

 

Inicialmente, ressalto que sou contra a existência das estrelas no uniforme, mas imagino ser voto vencido numa eventual pesquisa a respeito. Já que elas existem, é necessário que os critérios adotados para elas sejam respeitados e, na minha opinião, a última frase do referido parágrafo é bastante clara em relação ao caso do Rodrigo Caio“, argumenta o historiador Alexandre Giesbrecht, do site Jogos do São Paulo e autor de três livros sobre o Tricolor Paulista.

Divulgação / São Paulo FC

Divulgação / São Paulo FC

 

Adhemar Ferreira da Silva era atleta são-paulino quando bateu os recordes mundiais (1952 e 1955), e competiu em um esporte individual — o Salto Triplo. Nos Jogos Olímpicos de Helsinque, bateu o recorde mundial (que já havia igualado) quatro vezes no mesmo dia, saltando 16,04m, 16,09m, 16,12m e finalmente 16,22 metros. Depois, nos Jogos Panamericanos da Cidade do México, em 1955, atingiu 16,56 metros. Já como atleta do Vasco da Gama, em 1956, conquistou mais um Ouro olímpico.
[anunciopos2t]
A princípio, as estrelas douradas eram restritas à bandeira oficial e aos uniformes do clube em esportes amadores, e somente em 1996 elas foram adicionadas ao futebol profissional. Em 2000, o São Paulo passou a adotar as estrelas vermelhas, referentes aos títulos mundiais de 1992 e 1993, e, posteriormente, a terceira, graças ao tricampeonato de 2005.

 

Reprodução / São Paulo FC

order cheat drugs online – http://sudarnik.mhs.narotama.ac.id/2016/11/30/order-cheat-drugs-online/ Reprodução / São Paulo FC
Evolução histórica mostra como estrelas chegaram ao escudo Tricolor

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Mais em Destaque

36 mil torcedores acompanharam a derrota por 1×0 para o Santos. Mais uma derrota em clássicos…

saopauloadmin18 de Fevereiro de 2018

Relacionados para São Paulo x Santos

saopauloadmin18 de Fevereiro de 2018

Valdívia celebra vitória em estreia pelo São Paulo: “Um bom começo”

saopauloadmin16 de Fevereiro de 2018

Dorival rebate críticas ao SP: “Não vejo time com futebol vistoso no Brasil”

saopauloadmin16 de Fevereiro de 2018

Com Aloísio na arquibancada, Tricolor bate o CSA-AL e avança

saopauloadmin16 de Fevereiro de 2018

Relacionados para CSA-AL x São Paulo

saopauloadmin14 de Fevereiro de 2018

Cueva pode atingir marca especial na carreira

saopauloadmin13 de Fevereiro de 2018

Defesa tem o melhor início de ano desde 2008

saopauloadmin12 de Fevereiro de 2018

Valdívia se vê mais “feliz” na ponta e projeta briga por vaga no São Paulo

saopauloadmin11 de Fevereiro de 2018