Destaque Noticia

Dorival, padrão e execução

O clássico do último domingo, com predominância Tricolor e o veneno pontual santista, evidenciou a seca de gols que o São Paulo vive nesta temporada. Foram apenas seis tentos em sete partidas realizadas no Paulista e três gols nas duas fases “mamão com açúcar” da Copa do Brasil.

Segundo o Footsats, o São Paulo precisa de 14,2 finalizações para fazer um gol, com apenas 34,1% de aproveitamento nas finalizações no Paulista. Falta de padrão de jogo? Não. Diferente do que muitos falam, o time tem um padrão definido: posse de bola, troca de passes até o rival se abrir e infiltração com os pontas. O grande problema está na execução.

Pela qualidade de seus jogadores, o time consegue facilmente o comando das ações, mas a posse de bola não é produtiva. Os movimentos para abrir campo para os pontas são previsíveis e as jogadas são facilmente anuladas com um sistema defensivo razoavelmente bom. O Santos conseguiu a vitória no clássico com um chute em direção do gol e uma eficiente marcação. Já o São Paulo rondou a área santista durante toda a partida mas nenhum de seus jogadores teve capacidade de tomar a iniciativa de um drible ou uma enfiada de bola mais aguda para chegar de fato ao gol.


A responsabilidade deste falso domínio é da comissão técnica. A ideia de jogo está clara mas a execução tem deixado muito a desejar. Vamos a um exemplo prático: Diego Souza sempre foi um bom jogador mas não é um centroavante de ofício que coloca a bola debaixo do braço e decide o jogo nas oportunidades que tem. Está evidente a cada partida que a posição não ajuda nem ele nem o Tricolor. Por outro lado, Brenner teve destaque na pré-temporada atuando como centroavante, sua posição de origem. Hoje ele foi jogado literalmente para o escanteio e só entra para jogar nos lados do campo, com evidente pouco brilho.

Injusto ou não, Dorival Junior é responsável pela má execução do plano de jogo e está na berlinda. Mais que treinos e repetições, ele precisará de coragem e atitude para mudar a máquina ou as engrenagens antes do motor pifar de vez. Insistir no modelo ou nos jogadores é passaporte certo para o fracasso pois, do jeito que está, o time continuará ciscando a área sem envenenar as redes.

Saudações Tricolores!
Fonte: Daniel Perrone

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque Noticia

Mais em Destaque Noticia

“Carneiro está treinando forte e se recuperando bem, não está sentindo nada”

saopauloadmin24 de junho de 2018

Base do Tricolor vira opção para possíveis baixas no elenco

saopauloadmin21 de junho de 2018

Veja quem volta ao São Paulo após término de empréstimo a outros clubes

saopauloadmin21 de junho de 2018

Nenê comemora fase de goleador: “É um lucro, porque minha função é dar assistência”

saopauloadmin20 de junho de 2018

Atacante diz que pode ser “muito útil” ao Tricolor no segundo semestre

saopauloadmin19 de junho de 2018

Título é meta do São Paulo: “Não tem isso de ficar entre os 4”

saopauloadmin16 de junho de 2018

Trio ofensivo participa de 88% dos gols do São Paulo no Brasileiro

saopauloadmin15 de junho de 2018

Mascote do São Paulo entra no clima de Copa e imita Canarinho Pistola

saopauloadmin14 de junho de 2018

Programação do São Paulo prevê 13 dias de folga e treinos em Cotia

saopauloadmin14 de junho de 2018