Destaque Noticia

Com um jogo a cada oito dias, veja o que Dorival Júnior pode fazer no São Paulo

Dorival Júnior foi apresentado pelo São Paulo no dia 10 de julho. Em 28 dias, o time disputou sete jogos sob seu comando, média de um a cada quatro dias. Com pouco tempo para treinar, o técnico apostou na manutenção de uma base para tentar sair da zona de rebaixamento.

Não deu certo. Agora, entre a derrota do último domingo para o Bahia até o clássico do dia 24 de setembro, diante do Corinthians, o Tricolor jogará apenas seis vezes em 48 dias. Ou seja, Dorival terá, em média, o dobro de tempo entre os confrontos, fundamentais para o destino do clube.

O São Paulo precisa de 26 pontos, numa conta baseada em rebaixamentos de campeonatos anteriores, para se manter na Série A. Nesse período com mais treinos do que jogos, a equipe vai disputar 18 pontos. Pode sair do sufoco ou se afundar ainda mais.

O que Dorival precisa arrumar em cada setor?


DEFESA

Desde que Rogério Ceni foi demitido, o São Paulo sofreu 15 gols em oito partidas. Tornar-se mais seguro defensivamente é essencial. Boa parte do problema passa pelo lado direito.

Com o interino Pintado no banco, o argentino Buffarini foi facilmente envolvido na derrota para o Santos. Bruno entrou no time semanas depois, e Grêmio e Coritiba fizeram gols com jogadas de muita velocidade e mano a mano nesse setor.

Em razão de dores nas costas, ele não enfrentou o Bahia, que, com o colombiano Mendoza, também deu bastante trabalho ao jovem Araruna – que ficará cerca de um mês parado em razão de um estiramento na coxa.

Se nenhuma das opções para a lateral vive boa fase ou mostra aptidão para a marcação, Dorival terá de pensar em como compensar isso. A cobertura dos zagueiros também não tem sido ideal. Arboleda chegou atrasado para frear a arrancada de Pedro Rocha, do Grêmio, e Militão, que atuou centralizado pela direita da zaga na Fonte Nova, deu muito espaço para Rodrigão cruzar no primeiro gol do Tricolor baiano.

Outra possível solução é o famoso “perde-pressiona”. Ao perder a posse de bola, o São Paulo tem dado muito espaço para o adversário criar suas jogadas. Apertar, pressionar, atacar a bola na origem dos lances pode, pelo menos, atrasar o contra-ataque rival e permitir que a defesa se compacte com mais segurança.

MEIO-CAMPO

Na teoria, trata-se do setor mais forte do São Paulo. Só que nos três jogos que disputaram juntos, Jucilei, Petros, Hernanes e Cueva, todos muitíssimo bem-conceituados, não conseguiram “dar liga”, como se costuma dizer no futebol.

Sem a bola, faltou pegada, os adversários tiveram espaço para trocar passes e avançarem até perto da área de Renan Ribeiro, sobretudo quando pressionaram no campo de ataque.

campinho-22
Dorival Júnior já testou o meio-campo num 4-2-3-1… (Foto: GloboEsporte.com)

campinho-23
E os mesmos jogadores num 4-1-4-1, com um triângulo de volantes. Nenhum funcionou bem (Foto: GloboEsporte.com)

Com a bola, faltou aproximação, o “jogo apoiado” que Tite costuma dizer. Muitas vezes, apesar de serem quatro bons meio-campistas, quem tem a bola se vê sem opção de passe. E aquele que dá o passe não se apresenta para receber a devolução. A torcida espera que, com tempo de treino, esses jogadores, especialmente Jucilei, Petros e Hernanes, troquem muito mais a bola, e com mais objetividade do que tem acontecido.

Para o próximo domingo, contra o Cruzeiro, no Morumbi, Cueva está suspenso. A opção dos sonhos de Dorival, o jovem Lucas Fernandes, ainda se recupera de lesão. Como o peruano tem atuado mais aberto, abre-se a possibilidade da entrada de mais um atacante.

ATAQUE

O principal atacante do elenco é Lucas Pratto, que não está jogando bem. Embora faça enorme esforço para sair da área e participar do jogo, seria ideal se pudesse ficar mais perto do gol, à espera de jogadas de linha de fundo que, hoje, inexistem.

Esse é um problema desde o início do ano. David Neres, o único com potencial para ser craque, foi vendido. Luiz Araújo oscilou, mas também acabou negociado quando estava bem. As apostas em Wellington Nem e Neilton não deram certo. Marcinho, o atual titular, parece ter perdido a confiança que o fazia ganhar dos marcadores no mano a mano.

Dorival Júnior terá de encontrar uma maneira de seu ataque produzir movimentações que permitam ao meio-campo uma enfiada de bola ou uma infiltração na área – algo que tem faltado, sobretudo, a Petros.
O jovem Brenner é boa opção, embora não seja um “ponta”. Ele é artilheiro e tem só 17 anos, mas já demonstrou mais inteligência de jogo do que a maioria dos companheiros.

Outra mudança que pode ajudar é a volta de Júnior Tavares ao time, no lugar de Edimar. Um lateral mais ofensivo pode ser importante, embora o garoto, ultimamente, tenha ganhado mais destaque pelo cabelo descolorido do que por suas atuações.

Fonte:

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque Noticia

Mais em Destaque Noticia

Diretoria do São Paulo sofre pressão para demitir Dorival

saopauloadmin19 de outubro de 2017

Tricolor trabalha no Rio antes de retornar

saopauloadmin19 de outubro de 2017

Hernanes sobre o São Paulo: ‘Time não amadurece. É inaceitável’

saopauloadmin19 de outubro de 2017

São Paulo decide não renovar com Renan Ribeiro e Denis. Sidão, Perri e reforço comporão o gol em 2018

saopauloadmin18 de outubro de 2017

Perto de rescindir com Under Armour, SP se reúne com Umbro e Penalty

saopauloadmin18 de outubro de 2017

Veja em que pé está a negociação entre São Paulo e Under Armour

saopauloadmin18 de outubro de 2017

Dorival deve repetir escalação após dez partidas mudando o São Paulo

saopauloadmin18 de outubro de 2017

Relacionados para Fluminense x São Paulo

saopauloadmin18 de outubro de 2017

Leco sobre Kaká: “É uma conversa que deveremos ter”

saopauloadmin17 de outubro de 2017