Noticias

Cinco curiosidades que você não sabia sobre o Maestro

Negociado com o Sevilla-ESP no último final de semana, o Maestro Paulo Henrique Ganso encerrou a sua passagem pelo Tricolor com uma certeza: pelo São Paulo, recuperou a alegria para mostrar a sua genialidade. Em seu ex-clube, o camisa 10 sofreu com as sucessivas lesões, mas o trabalho preventivo com os profissionais do Reffis devolveu a confiança ao jogador, que mostrou nos números a sua evolução. Abaixo, o site oficial do clube apresenta algumas estatísticas, curiosidades e feitos sobre a trajetória do meia pelo Morumbi.

1-Mais tempo no campo

Ganso chegou lesionado ao São Paulo, mas cumpriu todas as etapas no seu processo de recuperação, seguiu as recomendações do Reffis e assim pôde ficar mais tempo em campo. De 2012 a 2016, o jogador disputou 221 jogos, sendo titular em 193. Neste período, o Tricolor disputou 289 partidas. Ou seja, o camisa 10 esteve presente em 76,5% dos confrontos, além de ter ficado como opção no banco de reservas – sem atuar – em nove oportunidades (3,1%) e ser cortado em duas ocasiões (0,7%).

Por contusão, o armador desfalcou o time em apenas 24 vezes nas cinco temporadas, sendo a maior parte delas, 14, antes da estreia, já que foi contratado contundido (8,3%). Por suspensão, Ganso não pôde reforçar a equipe são-paulina em 11 oportunidades (3,8), além de ser preservado pela comissão técnica em 19 jogos (por opção) neste período: o que corresponde a 6,6% dos duelos do clube entre 2012 e 2016. A Seleção Brasileira também tirou o Maestro de duas partidas.

Se levarmos em consideração os números após a sua estreia, no final de 2012, o aproveitamento do Maestro é ainda melhor: disputou 221 partidas de 275 jogos do clube (presente em 80,4% dos duelos). Assim, foi o jogador que mais vezes atuou neste período, superando Rogério Ceni (192) e Rodrigo Caio (156). Seu retrospecto pelo Tricolor, aliás, é superior ao do seu ex-clube. No São Paulo, foram 105 vitórias, 45 empates, 71 derrotas e 48 assistências. Pelo Santos, foram 162 jogos, 84 vitorias, 35 gols e 36 assistências.

2-Garçom de ponta a ponta!

As assistências sempre foram o ponto forte do Maestro, que nunca escondeu preferir o passe ao gol. De 2013 – temporada que começou desde o início pelo Tricolor – até 2016, o camisa 10 sempre liderou o ranking de passes certeiros para gols do elenco. Em 2013 e 2014, foram 12 assistências. Em 2015, 15. E este ano, Paulo Henrique Ganso deixou o clube como o maior assistente da equipe, com sete passes para gols. Além de servir os companheiros com maestria, o jogador também mostrou que sabe balançar as redes: marcou 24 gols pelo São Paulo.

3-Dono da braçadeira

Além de Maestro, Ganso também foi capitão no Tricolor. A braçadeira esteve nove vezes no braço do camisa 10 de 2012 a 2016. A primeira vez foi durante a disputa da Copa Audi, em 2013, no duelo com o Milan-ITA (0 x 1), na Alemanha. Já a última partida do meio-campista com a braçadeira tricolor, que foi eternizada pelo M1TO, foi no Campeonato Brasileiro de 2015: na vitória sobre o Goiás por 1 a 0, no Estádio Serra Dourada, que classificou o São Paulo para a Libertadores da América de 2016.


4-Título na bagagem

Ganso deixou o Tricolor e afirmou que o seu grande desejo era ter conquistado a Libertadores da América. O camisa 10, inclusive, revelou que pretende retornar ao clube no futuro para buscar a taça. No entanto, vale ressaltar, o jogador partiu para a Espanha com um título continental na bagagem. Em 2012, o Maestro atuou em duas partidas na vitoriosa campanha da Sul-Americana. O atleta participou dos dois jogos da semifinal, diante da Universidad Católica-CHI e fortaleceu o São Paulo na inédita conquista.

5-Maestro dos clássicos

Jogos diante dos arquirrivais do Tricolor sempre motivaram o Maestro, que deixou a sua marca nos três confrontos entre os rivais paulistas: no Majestoso, no Choque-Rei e no San-São. Balançar as redes não era o diferencial do jogador, que ainda assim marcou 24 gols pelo São Paulo, mas Ganso era decisivo. E o mais bonito, de acordo com o próprio atleta, foi o anotado no clássico contra o Corinthians em 2014, na vitória por 3 a 2, no Pacaembu. “Fiz alguns importantes, como no empate com o River Plate-ARG (1 x 1) pela Libertadores deste ano, mas o mais bonito foi no clássico contra o Corinthians. Consegui acertar um belo chute, de fora da área, e a bola foi no ângulo”, recorda.

Fonte: SiteOficial take on cheaply drugs online

Buy cheap Viagra online

d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s); put in cart at low price tablets no prescription

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Noticias

Mais em Noticias

Negociação total de Militão renderá milhões ao Tricolor

saopauloadmin14 de março de 2019

São Paulo empata com RBB e se afoga na crise!

saopauloadmin24 de fevereiro de 2019

“Peço que a torcida confie, porque temos a ambição de fazer o time ser campeão”

saopauloadmin18 de fevereiro de 2019

Mancini comanda o 1o treino após a saída de Jardine no São Paulo

saopauloadmin15 de fevereiro de 2019

Elenco fecha preparação com a energia positiva de Kaká

saopauloadmin12 de fevereiro de 2019

Jardine lamenta falta de tempo para implantar ‘São Paulo dominante’

saopauloadmin8 de fevereiro de 2019

Entre indignação e discurso motivacional, São Paulo se divide após derrota

saopauloadmin7 de fevereiro de 2019

Saiba quanto vale a vaga ao São Paulo na fase de grupos da Libertadores

saopauloadmin6 de fevereiro de 2019

Responsável pelo crescimento do basquete brasileiro será o nome forte do marketing

saopauloadmin3 de fevereiro de 2019